Introdução – o acompanhamento da sua rede e diversas aplicações é a parte mais importante da sua bussiness. Assim, escolhendo ferramentas de monitoramento é fundamental e mais importante tarefa, porque você vai responder plenamente com essa ferramenta para avisar sempre que algo dá errado!

1) Nagios – é uma fonte aberta popular monitor de sistema de computador, monitoramento de rede e infra-estrutura de aplicação de software de monitoramento. Nagios oferece monitoramento completo e alertando para os servidores, switches, aplicações e serviços e é considerado como a indústria defacto
padrão. Nagios suporta dois tipos de monitoramento de ativos e passivos. Em caso de nagios horários de monitoramento ativo ou ativamente verifica serviços mencionados, enquanto que no caso de cheques passivos, aplicação externa pode ser usado para apresentar os resultados de verificação de serviços.
– Para o controlo passivos NSCA (Nagios Serviço Acceptor Check) daemon deve ser executado no servidor nagios aceitar cheques passivos através da rede, que apresentarão seleção passiva para nagios via unix socket.
– Para o controlo Acitive NRPE daemon (Nagios Executor Plugin remoto) tem que ser executado na máquina remota para acompanhar os serviços. No entanto, você pode usar o SSH também.

Para monitorar hosts remotos e serviços comunitários nagios fornecer-lhe alguns plugins como mostrado abaixo …
* NRPE – daemon NRPE será executado em máquinas remotas e Nagios irá cheques serviços em hosts remotos através check_nrpe plugin (comando) de hosts nagios.
* Check_MK – O melhor plugin do nagios para monitorar host remoto. Beleza deste plugin é que a maioria dos serviços commons são verificados em uma conexão para hosts remotos e os resultados são apresentados como resultados passivas para nagios. Isso melhora o desempenho, menos tráfego de rede e, claro, sem carga ou carga em máquina remota (o que estamos a acompanhar). Para Check_MK, temos que instalado agente check_mk ie check_mk_agent shell script simples e vincular este script para 6556 porta tcp usando daemon xinetd. Check_MK também fornece recursos a seguir.
– Suporte dinâmico Check_MK nagios configuração geração de inventário, de cheques.
– Livestatus – um plugin bonita para se comunicar com nagios (unix socket)
– Nagios Multisite GUI – nagios vários monitores de única interface web baseada em
– Suporta SNMP e detecções de serviços automáticos para muitos switches, roteadores Cisco e unidades de armazenamento NetApp também.
Nagios Multisite GUI – Outra beleza de Check_MK nagios plugin é monitoria nagios múltiplas usando apenas uma interface web based. Esta interface de webbased usese Check_MK plugin de Livestatus para obter dados nagios.
Check_MK – http://mathias-kettner.de/
URL – http://www.nagios.org/~~V
Autor – Ethan Galstad

2) Gânglios – é uma ferramenta escalável monitor de sistema distribuído para os sistemas de computação de alto desempenho, como clusters e grids. Ele permite ao usuário visualizar remotamente estatísticas ao vivo ou históricos (tais como as médias de carga da CPU ou de utilização de rede) para todas as máquinas que estão sendo monitorados. Gânglios é muito útil para descobrir aplicação ou utilização de recursos equipe sábio, mesmo em ambiente de cluster. Temos de instalado gmond (daemon monitor de gânglios) em cada máquina (em grupo ou cluster) que recolhe todas as estatísticas.
gmetad (daemon metadados gânglios) precisam instalado em um usinados em grupo ou cluster que irá recolher dados de servidores especificados gmond.
URL – http://ganglia.info/~~V

3) Cactos – é uma fonte aberta, web-based ferramenta gráfica (frontend para RRDtool). Cacti permite que um usuário aos serviços eleitorais em intervalos predeterminados e gráfico os dados resultantes. É geralmente usado para gráficos de séries temporais de dados de métricas, tais como carga da CPU e utilização de banda de rede. Cacti é melhor para monitorar dispositivos de hardware como switches, roteadores via SNMP.
URL – http://www.cacti.net/

4) Zabbix – Ele é projetado para monitorar e rastrear o status de vários serviços de rede, servidores e hardware de rede. Ele usa MySQL, PostgreSQL, SQLite, Oracle ou IBM DB2 para armazenar dados. Seu método é escrito em C e do frontend web é escrito em PHP.
Zabbix oferece várias opções de acompanhamento. Um agente Zabbix também pode ser instalado em hosts UNIX e Windows para monitorar as estatísticas, como de carga da CPU, utilização de rede, espaço em disco, etc
Como uma alternativa para a instalação de um agente sobre os hospedeiros, Zabbix inclui suporte para o monitoramento via SNMP, TCP e ICMP cheques, bem como sobre IPMI, SSH, telnet e utilizando parâmetros personalizados.
Zabbix suporta uma variedade de mecanismos de notificação em tempo real. Beleza do Zabbix é notificações XMPP!
URL – http://www.zabbix.com/
Autor – Alexei Vladishev

5) Zenoss – Zenoss (Zenoss Core) é uma aplicação open-source, servidor e plataforma de gerenciamento de rede baseado no servidor de aplicação Zope.
URL – http://www.zenoss.com/

NOTA – Esta lista é baseada na experiência pessoal e escolha de muitos membros da comunidade IndianGNU.

Obrigado,
Arun Bagul

(0) Comments    Read More   
Feb
06
Posted on 06-02-2012
Filed Under (Informações gerais) by Arun Bagul

Introdução –
Algum tempo para ganhar o desempenho, a memória RAM física pode ser usado como espaço em disco que é muito rápido de comparação para o disco rígido normal.
Então, como eu posso usar RAM é o disco? passar por esses passos.

Passo 1) Crie o diretório, como mostrado abaixo onde você deseja montar RAM como disco

root @ arunbagul: ~ # mkdir-p / tmp / ram
root @ arunbagul: ~ # ls / tmp / ram
root @ arunbagul: ~ #

Etapa 2) de montagem RAM ou seja tmpfs no ponto de montagem “/ tmp / ram” diretório

root @ arunbagul: ~ # mount-t tmpfs-o size = 10M tmpfs / tmp / ram /

* Verificar montado não?

root @ arunbagul: ~ # df-h
Tamanho Filesystem Uso% Montado em Avail Usado
tmpfs 10M 0 10M 0% / tmp / ram

** Para montar esta entrada permanentemente add no / etc / fstab conforme mostrado abaixo.

root @ arunbagul: ~ # cat / etc / fstab

….

padrões tmpfs / tmp / ram tmpfs, size = 10m 0 0

root @ arunbagul: ~ #

– Para montar esse uso comando mount (isto montará todos os pontos de montagem mencionados no fstab)

root @ arunbagul: ~ # mount-a

Obrigado,
Arun Bagul

(0) Comments    Read More   
Nov
06
Posted on 06-11-2010
Filed Under (Informações gerais) by Arun Bagul

Dear All,

Hoje, estamos celebrando o quarto aniversário! Temos concluído quatro anos e ainda está crescendo com velocidade máxima! Era simplesmente impossível sem o vosso apoio, participação e trabalho duro.

openlsm Project ~

Este ano foi difícil para openlsm e vamos lançar a versão de desenvolvimento do painel de administração até ao final de dezembro de 2010. Nós estamos esperando muito mais do segundo marco …

Felicidades,
IndianGNU.org

(0) Comments    Read More   
Oct
20
Posted on 20-10-2010
Filed Under (Informações gerais) by Arun Bagul

Introdução –

Quase um ano atrás, eu me esforcei muito para a execução da sessão e cookie em Perl aplicação CGI. Assim, o pensamento de compartilhar meu trabalho com todos vocês.
Eu queria fazê-lo no meu caminho …

Assunção, ou seja, o seu web apache servidor está habilitado para executar scripts CGI

Step 1] Write Auth.pm Perl module –

Please simply copy following Auth.pm perl module for authentication using Session and Cookies…

[root@arun ~]# cat /var/application/module/Auth.pm

package Auth;

### Subroutine to authenticate user
sub  User
{
my ($ref_page) = (@_);
### Session information
my $sid = $ref_page->cookie(“APP_SID”) || undef;
my $session = CGI::Session->load(undef,$sid);
if ( $session->is_expired ) { print $ref_page->redirect(-location => ‘../arun.html’);}
elsif ( $session->is_empty) { print $ref_page->redirect(-location => ‘../arun.html’);}
else { print $ref_page->header();}
# don’t forget to create dir ‘/var/tmp’
# with proper ownership/permission
#$session = new CGI::Session(undef, $sid, {Directory=>’/var/tmp’});
#################################################
return($session->param(‘login_user’));
}

1;
[root@arun ~]#

Step 2] authe_me.pl –

authe_me.pl file is used to set cookies and verify username/password. You may use MySQL DB to store username and password.
In this case you have to this file…

[root@arun ~]# cat /var/application/www/cgi-bin/auth_me.pl
#!/usr/bin/perl

sub BEGIN
{
unshift (@INC, ‘/var/application/module/’);
}

use strict;
use warnings;
use CGI qw(:standard);
use CGI::Session;
use Auth; ## our module

### Header
########################
my $page = CGI->new();
##print $page->header();

##########
if ( $ENV{REQUEST_METHOD} eq “POST” )
{
my %form;
my $session_dir=”/var/tmp”;
my ($admin_user,$admin_password) = (“admin”,”arun123″);

foreach my $key (param()) { $form{$key} = param($key);}
##
if (($form{username}) && ($form{password}))
{

### Session Details ###
CGI::Session->name(“APP_SID”);
## Create new session
my $session = new CGI::Session(undef, undef, {Directory=>$session_dir});
## Set cookies
my $cookie = $page->cookie(-name=>$session->name(),-value=>$session->id(),-expires=>’+2h’,-path=>’/’);
## Store data in session variable and save it
$session->param(‘login_user’,$form{username}); # OR
##$session->param(-name=>’login_user’,-value=>$form{username});
$session->save_param($page, [“login_user”]);

## Session and Cookie expiration time is SAME.
$session->expire(“+2h”);
#### Session Details end ####

## if login successful redirect to main.pl else login page
if (($form{username} eq $admin_user) and ($form{password} eq $admin_password))
{ print $page->redirect(-location => ‘main.pl’,-cookie=>$cookie);}
else { print $page->redirect(-location => ‘../arun.html’); }
############################
} else { print $page->redirect(-location => ‘../arun.html’); }
}

[root@arun ~]#

Step 3] Create Login Page –

[root@arun ~]# cat /var/application/www/arun.html
<html>
<title>Arun Login Page</title>

<!– Form start –>
<table align=’center’ border=’1′>
<form method=”POST” action=”cgi-bin/auth_me.pl”>
<tr>
<td><label>Login</label></td>
<td><input name=”username” type=”text”></td>
</tr>
<tr>
<td><label>Password</label></td>
<td><input name=”password” type=”password”><br/></td>
</tr>
<tr>
<td><input value=”Submit” type=”submit”></td>
</tr>

</form>
</table>

</html>

[root@arun ~]#

Step 4] Create main page where Session and Cookie authentication verified – main.pl

[root@arun ~]# cat /var/application/www/cgi-bin/main.pl
#!/usr/bin/perl

sub BEGIN
{
unshift (@INC, ‘/var/application/module/’);
}

use strict;
use warnings;
use CGI qw(:standard);
use CGI::Session;
use Auth;

### Header
my $page = CGI->new();
## check authentication
my $login_name=Auth::User($page);
###
print $page->start_html( -title=>’Arun Main Page’);

print “<h3>This is Main Page</h3></br>”;
print “<br>Login Name – $login_name”;

#end
[root@arun ~]#

Step 5] Please access login page and try http://your_ipaddr/arun.html

Thank you,
Arun Bagul

(0) Comments    Read More   
Oct
11
Posted on 11-10-2010
Filed Under (Informações gerais) by Arun Bagul

Introdução –

Rede de latência e largura de banda são as duas métricas mais provável que seja de interesse quando uma rede de referência. Embora a maioria dos serviços e publicidade de produtos concentra-se na largura de banda, por vezes, a latência pode ser uma métrica mais importante.

** Qual é a largura de banda?

Largura de banda (BW) em redes de computadores refere-se a taxa de dados suportada por uma conexão de rede ou interface. PC é medido em termos de bits por segundo (bps).

** Qual é a latência da rede?

Latência é a medida do tempo de atraso experimentado em um sistema. A latência da rede é simplesmente definido como o intervalo de tempo observado como transmite dados de um ponto para outro. Há uma série de fatores que contribuem para a latência da rede. Estes incluem a transmissão (média de conectividade), a distância, roteadores e atrasos hardware do computador.

Lista de projetos utilizados para testar o desempenho de rede e tráfego –

1) bmon – monitor de largura de banda e estimador de taxa, que é baseado em console, ao vivo BW
2) bwbar – o uso da banda em formato texto e gráfico
3) bwm-ng – Bandwidth Monitor NG (Next Generation, vivem PC, console baseado
4) dstat – Dstat é um substituto para iostat vmstat e ifstat.
5) iftop – uso de banda em uma interface baseada em console
6) iperf – Realizar testes de throughput da rede aposta de dois hospedeiros
7 ifstat) – Relatório da Interface de Estatística
8 cbm) – Cor Bandwidth Meter, console baseado
9 etherape) – Gráfica navegador tráfego de rede
10) iptraf – Interactive colorido IP LAN Monitor, console e GUI baseada
11) netmrg – Ele é um servidor baseado em suporte ao MySQL, reúne dados de dispositivos.
12 nuttcp) – ferramenta de medição de desempenho de rede
13 nepim)

NOTA ~ Para alguns deles, os pacotes rpm ou deb não estão disponíveis!

Passo 1] Como instalar no RedHat / RHCE, CentOS sistema baseado e sistema baseado Dibian?

root@me:~# yum install netperf iperf nuttcp nepim lmbench

** Ubuntu –

root@me:~# apt-get install  bmon bwbar bwm-ng dstat cbm etherape iftop iperf ifstat iptraf netmrg

Passo 2] Como usar – bmon, bwm-ng, dstat, ifstat –

root@me:~# bmon

interface: lo at me.arun.world

#   Interface                RX Rate         RX #     TX Rate         TX #
───────────────────────────────────────────────────────────────────────────────
me.arun.host (source: local)
0   lo                         0.00B            0       0.00B            0
1   eth0                       0.00B            0       0.00B            0
2   eth2                       0.00B            0       0.00B            0
3   vboxnet0                   0.00B            0       0.00B            0
4   pan0                       0.00B            0       0.00B            0
5   ppp0                      69.39KiB         61       7.49KiB         44

root@me:~# bwm-ng

bwm-ng v0.6 (probing every 0.500s), press ‘h’ for help
input: /proc/net/dev type: rate
\         iface                   Rx                   Tx                Total
==============================================================================
lo:           0.00 KB/s            0.00 KB/s            0.00 KB/s
eth0:           0.00 KB/s            0.00 KB/s            0.00 KB/s
eth2:           0.00 KB/s            0.00 KB/s            0.00 KB/s
ppp0:          64.39 KB/s            7.92 KB/s           72.31 KB/s
——————————————————————————
total:          64.39 KB/s            7.92 KB/s           72.31 KB/s

root@me:~# dstat
—-total-cpu-usage—- -dsk/total- -net/total- —paging– —system–
usr sys idl wai hiq siq| read  writ| recv  send|  in   out | int   csw
7   4  85   4   0   0| 281k  110k|   0     0 |   0     0 | 865  3013
8   4  88   0   0   0|   0     0 |7027B 1261B|   0     0 | 956  4505
8   5  86   0   0   0|   0     0 |  14k 1867B|   0     0 |1144  3332
9   5  86   0   1   0|   0     0 |  79k 2496B|   0     0 |1360  3366
18   8  74   0   0   0|   0     0 |  52k 6511B|   0     0 |1299  3618
8   6  85   0   1   0|   0     0 |  35k 5339B|   0     0 |1094  4231
6   4  90   0   0   0|   0     0 |   0  3164B|   0     0 | 953  2750 ^C
root@me:~#

root@me:~# ifstat
eth0                eth2                ppp0
KB/s in  KB/s out   KB/s in  KB/s out   KB/s in  KB/s out
0.00      0.00      0.00      0.00     95.73      4.31
0.00      0.00      0.00      0.00     67.93      8.17
0.00      0.00      0.00      0.00    106.77     13.70

** Start “iperf” servidor em um host (A) e um cliente em outra máquina (B) – para medir o throughput de rede entre dois hosts.

* Host -A

root@me:~# iperf -s
————————————————————
Server listening on TCP port 5001
TCP window size: 85.3 KByte (default)
————————————————————
[  4] local 192.168.0.1 port 5001 connected with 192.168.0.2 port 56171
[ ID] Interval       Transfer     Bandwidth
[  4]  0.0-10.0 sec  9.11 GBytes  7.82 Gbits/sec

* Host -B
test@hostB:~$ iperf -c 192.168.0.1
————————————————————
Client connecting to 192.168.0.1, TCP port 5001
TCP window size: 49.5 KByte (default)
————————————————————
[  3] local 192.168.0.2 port 56171 connected with 192.168.0.1 port 5001
[ ID] Interval       Transfer     Bandwidth
[  3]  0.0-10.0 sec  9.11 GBytes  7.82 Gbits/sec
test@hostB:~$

root@me:~# iftop
root@me:~# cbm

Thank you,
Arun Bagul

(0) Comments    Read More   
Sep
07
Posted on 07-09-2010
Filed Under (Informações gerais) by Arun Bagul

Introdução –

O que é Planejamento de Recursos Empresariais (ERP)?

ERP é um sistema integrado de software usado para gerenciar os recursos, bens, recursos financeiros, materiais e recursos humanos.
Sua finalidade é facilitar o fluxo de informações entre todas as funções empresariais da organização.

O que é gestão de relacionamento com clientes (CRM)?

CRM é amplamente reconhecido como interações da empresa com clientes, prospects e clientes de vendas. Ela envolve o uso de
tecnologia para organizar, automatizar e sincronizar negócios (vendas) atividades, marketing, atendimento ao cliente e suporte técnico.

1) Openbravo

Openbravo ERP é uma solução de negócios web-based ERP para pequenas e médias empresas, que é liberado sob
o Openbravo Public License, baseada na Mozilla Public License.
URL – http://www.openbravo.com/

2) OpenERP

OpenERP é uma suíte de código aberto abrangente de aplicativos de negócios, incluindo vendas, gerenciamento de projetos de CRM,
gestão de armazém, Produção, Contabilidade, Recursos Humanos.
URL – http://www.openerp.com/

3) Fedena

Fedena é um software open source de gestão escolar desenvolvido em Ruby on Rails. fedena contém módulos relacionados com a admissão, Estudante Detalhes, Gerenciar Usuários, Gerenciar News, Exame, Horário e Atendimento.
URL – http://www.projectfedena.org/

4) JFire

JFireis um Enterprise Resource Planning e Customer Relationship Management sistema. JFire é Cliente-Servidor com sistema baseado em cliente Desktop disponíveis para Windows e Linux OS.
URL – http://www.jfire.net/

5 OFBiz Apache) –

OFBiz é um sistema ERP. Ele fornece aplicativos empresariais integrar e automatizar muitos dos processos de negócio.
URL – http://ofbiz.apache.org/

6) SugarCRM

SugarCRM é líder CRP software de fonte aberta. SugarCRM é minha escolha pessoal!

URL – http://www.sugarcrm.com

7) vTigerCRM

Cacti é muito fácil e melhor de ERP e CRM software baseado na web. Tenho usado este software pessoal. Tem muitos Addons. URL – http://www.vtiger.com/

Consulte a lista de software ERP em wiki – http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_ERP_software_packages

Obrigado,
Arun Bagul

(0) Comments    Read More   
Dec
31
Posted on 31-12-2009
Filed Under (Informações gerais) by Arun Bagul

Introduction ~

—————————————–
Program (1) ~ array.sh
—————————————–

#!/bin/bash
echo “==============”
declare -a myarr[0]=”Arun”
declare -a myarr1
myarr1=(arun bagul bangalore mumbai raju santhosh)
myarr[1]=”Bagul”

echo “my name is ${myarr[0]} ${myarr[1]}”
echo “————————–”
echo “${myarr1[*]}”
echo ${myarr1[2]}
echo ${myarr1[@]}
echo “————————–”
echo “Total no of elements in array – ${#myarr1[*]}”
echo “Total no of elements in array – ${#myarr1[@]}”
echo “Size of word ‘${myarr1[2]}’ is – ${#myarr1[2]}”
echo ${#myarr1[1]}
echo ${#myarr1[0]}

echo “————————–”

#how to delete element in array
unset myarr[1]
echo “myarr is – ${myarr[*]}”

#how to assign element in array
myarr[1]=”- System Engineer!”
echo “myarr is – ${myarr[*]}”

echo ${myarr}

————————————————————————
Program (2) ~ command_line_arguments.sh
————————————————————————

#!/bin/bash

echo “Script/command name => $0”
echo “arg1 => $1”
echo “arg2 => $2”
echo “arg3 => $3”
echo “Total No of argument = $#”

echo “Script PID is => $$”
echo “Status of previous command – $?”

name=$myname
echo “Name – $name”

read n

————————————————-
Program (3) ~ default_value.sh
————————————————-

#!/bin/bash

#start=’123′
#start=${1:-$start}

start=${1:-‘123’}

echo “Value of ‘start’ variable is ==> $start”

—————————————————
Program (4) ~ echo_example.sh
—————————————————

#!/bin/bash

name=”Arun”

echo -e “My Name is $name_arun and \n”
echo -e “My Name is ${name}_arun and \n”

echo -e ‘My Name is $name and \n’

—————————————–
Program (5) ~ elif.sh
—————————————–

#! /bin/bash

if [ $1 -eq $2 ];then
echo “good”
elif [ $2 -eq $3 ];then
echo “Fine”
elif [ $1 -eq $3 ];then
echo “OK”
else
echo “NO”
fi

————————————————————
Program (6) ~ for_loop_example-1.sh
————————————————————

#!/bin/bash

i=1
while [ $i -le 512 ]
do
temp=$i
echo “What is => $i | $temp”
i=$(expr $i + 32)
for (( j=$temp; $j<=$i; j++ ))
do
echo -n ” $j”
done
done

———————————————————–
Program (7) ~ for_loop_example-2.sh
———————————————————–

#!/bin/bash
#for val in $(ls -1 /tmp)
sum=0
#for val in {1..5}
#for val in {$1..$2}
for((val=$1;$val<=$2;val++))
do
#echo “$val”
sum=$(expr $sum + $val )
#sum=`expr $sum + $val`
done

echo “$0 # Sum of $1 to $2 => $sum”

————————————————————
Program (8) ~ for_loop_example-3.sh
————————————————————

#!/bin/bash

for i in {1..9}
do
echo $i
done

—————————————–
Program (9) ~ function.sh
—————————————–

#!/bin/bash

function my_function()
{
name=”Arun Bagul”
echo “‘my_function’ body ~ $name”
return 1;
}
##########

myfunc()
{
echo “Another way of defining the function”
}

##########################

echo “Starting function program”
echo “——————————”

#calling function here
my_function
##
myfunc

echo -e “\n end of program”

—————————————————————————————
Program (10) ~ how_to_pass_argument_to_function.sh
—————————————————————————————

#!/bin/bash

function my_function()
{
echo “Total number of argument ~ $#”
echo “Arg1 => $1”
echo “Arg2 => $2”
echo “Arg3 => $3”
return 0;
}
##########

echo “Starting function program”
echo “——————————”

#calling function here
my_function arun bagul 1234

————————————————————————-
Program (11) ~ how_to_take_hidden_input.sh
————————————————————————-

#!/bin/bash

echo -n “Enter User Name :”
read username
echo -n “Enter Password :”
read -s mypwd

echo -e “\nI am $username and my password is – $mypwd”

——————————————————————————
Program (12) ~ how_to_take_input_from_user.sh
—————————————————————————–

#!/bin/bash

echo -ne “Enter the Name:- ”
read name
echo -n -e “Enter the Number:- ”
read num

echo “——————————”

add=$(expr $num + 10)

echo “Name is ~ $name”
echo “Number is ~ $add”

—————————————–
Program (13) ~ ifthen.sh
—————————————–

#!/bin/bash

if [ “arun” == “arun” ];then
echo “true!”
else
echo “false”
fi

echo “———————————-”

if [ 2 == 2 ];then
echo “true!”
else
echo “false”
fi

echo “———————————-”

if [ “arun” = “arun” ];then
echo “true!”
else
echo “false”
fi

echo “———————————-”

if [ 2 -eq 2 ];then
echo “true!”
else
echo “false”
fi

——————————————————
Program (14) ~ non-interactive.sh
——————————————————

#!/usr/bin/expect -f
spawn ssh arun@192.168.0.1
expect “password:”
sleep 1
send “pwd\r”
interact

—————————————————————-
Program (15) ~ read_file_line_by_line.sh
—————————————————————-

#!/bin/bash

file_name=”/etc/hosts”

while read myvar
do
echo “Line => $myvar”
done < $file_name

echo “#################################################”

for myvar1 in $(cat $file_name)
do
echo “Line => $myvar1”
done

——————————————————
Program (16) ~ reverse-number.sh
——————————————————

#!/bin/bash

declare -a date_array
num=$1
i=$(expr $(echo $num | wc -c) – 1 )

while [ $num -gt 10 ]
do
temp=$( expr $num % 10 )
num=$( expr $num / 10);
echo “Digit($i) => $temp”
date_array[$i]=”${temp}”
i=$(expr $i – 1)
done
echo “Digit($i) => $num”
date_array[$i]=”${num}”

echo ${date_array[*]}

——————————————————–
Program (17) ~ string-operation.sh
——————————————————–

#! /bin/bash

echo “Arun Bagul:-”
string=”/root/arun/bagul/image.gif”
echo “string=> $string”
echo “String=> ${string##/*/}”
echo “String=> ${string#/*/}”

echo “String=> ${string%.*}”
echo “String=> ${string%%.*}”
#str=”/home/y/conf/arunbagul/daily_market_0.conf”
str=”${str##/*conf/}”
echo “String=> ${str%/*}”

#done

mystr=”keyword_summary_exact_arunsb”
echo $mystr
echo ${mystr%_*}

echo “$*”

—————————————–
Program (18) ~ switch.sh
—————————————–

#!/bin/bash

echo ” Switch program | arg1 => $1″
echo ” ——————————-”
case $1 in

123)
echo “Case is 123”
;;

arun)
echo “Case is ‘arun'”
;;

pri*)

echo “Case is ‘pri*'”
;;

*)
echo ” * Usage: $0 ”
echo ” Default case (nothing is matched)”
exit 0;
;;
esac

—————————————————————–
Program (19) ~ while_loop_example-1.sh
——————————————————————

#!/bin/bash

mywait=wait

while [ “${mywait}” = “wait” ]
do
echo “arun”
done

——————————————————————-
Program (20) ~ while_loop_example-2.sh
——————————————————————–

#! /bin/bash

## on command line -> i=0 && while [ $i -le 10 ] ; do echo $i; i=$(expr $i + 1); done

i=0
while [ $i -le 10 ]
do
echo $i
i=$(expr $i + 1)
done

——————————————————————–

* Please download PDF file http://www.slideshare.net/arunbagul/bash-learning-by-examples/

Regards,
Arun

(0) Comments    Read More   
Dec
09
Posted on 09-12-2009
Filed Under (Informações gerais) by Arun Bagul

Introdução ~

Eu estava planejando escrever artigo sobre a replicação do MySQL Multi Master desde muito tempo, finalmente começou agora!. Por favor, consulte o artigo sobre “Como configurar a replicação do MySQL com um mestre” URL ~ http://www.indiangnu.org/2007/mysql-replication-one-master-multiple-slave/

* Deixe-me informá-lo de tudo o que Multi master replicação no MySQL é puramente baseado em duas variáveis. Não tem nada a ver com a tecnologia de replicação usado em replicação do MySQL ….

mysql> show variables like ‘%increment_%’;
+——————————-+——-+
| Variable_name                 | Value |
+——————————-+——-+
| auto_increment_increment      | 1     |
| auto_increment_offset         | 1     |
+——————————-+——-+
2 rows in set (0.00 sec)

mysql>

** Requirements ~

a) Master Hosts (2 master in my case) ~
master-1 => 10.66.66.194
master-2 => 10.66.90.135
b) Replication Slave (1 slave) ~
Slave => 10.66.75.137

c) MySQL server (with replication support)

** Let us understand how it works ?

* Master-1 Server =>

Set following variables…

mysql> set auto_increment_increment=5;
mysql> set auto_increment_offset=1;

mysql> show variables like ‘%increment_%’;
+————————–+——-+
| Variable_name            | Value |
+————————–+——-+
| auto_increment_increment | 2     |
| auto_increment_offset    | 1     |
+————————–+——-+
2 rows in set (0.00 sec)

mysql>

** Create Table ~

mysql> create table class ( rollno INT(5) NOT NULL PRIMARY KEY AUTO_INCREMENT , name VARCHAR(30) );

** Add Record now ~

mysql> INSERT INTO class VALUES (”,’Arun Bagul’);
mysql> INSERT INTO class VALUES (”,’Ravi Bhure’);
mysql> INSERT INTO class VALUES (”,’Karthik Appigita’);
mysql> INSERT INTO class VALUES (”,’Ameya Pandit’);

mysql> SELECT * FROM class;
+——–+——————+
| rollno | name             |
+——–+——————+
|      1 | Arun Bagul       |
|      3 | Ravi Bhure       |
|      5 | Karthik Appigita |
|      7 | Ameya Pandit     |
+——–+——————+
4 rows in set (0.00 sec)

mysql>

* Master-2 Server =>

Set following variables…

mysql> set auto_increment_increment=2;
mysql> set auto_increment_offset=2;

mysql> show variables like ‘%increment_%’;
+————————–+——-+
| Variable_name            | Value |
+————————–+——-+
| auto_increment_increment | 2     |
| auto_increment_offset    | 2     |
+————————–+——-+
2 rows in set (0.00 sec)

mysql>

** Create Table ~

mysql> create table class ( rollno INT(5) NOT NULL PRIMARY KEY AUTO_INCREMENT , name VARCHAR(30) );

** Add Record now ~

mysql> INSERT INTO class VALUES (”,’Nilkanth Parab’);
mysql> INSERT INTO class VALUES (”,’Nishit Shah’);
mysql> INSERT INTO class VALUES (”,’Ram Krishna’);
mysql> INSERT INTO class VALUES (”,’Suhail Thakur’);

mysql> SELECT * FROM class;
+——–+——————+
| rollno | name             |
+——–+——————+
|      2 | Nilkanth Parab   |
|      4 | Nishit Shah      |
|      6 | Ram Krishna      |
|      8 | Suhail Thakur    |
+——–+——————+
4 rows in set (0.00 sec)

mysql>

** What is the importance of “auto_increment_increment” and “auto_increment_offset” ~

mysql> desc class;
+——–+————-+——+—–+———+—————-+
| Field  | Type        | Null | Key | Default | Extra          |
+——–+————-+——+—–+———+—————-+
| rollno | int(5)      | NO   | PRI | NULL    | auto_increment |
| name   | varchar(30) | YES  |     | NULL    |                |
+——–+————-+——+—–+———+—————-+

auto_increment_offset    => This is BASE value for column with “auto_increment” attribute (please refer the above example)
auto_increment_increment => This is the increment value for column with “auto_increment” attribute

** If you combine the both tables (master-1 and master-2) the final table will look like this ~

mysql> SELECT * FROM class;
+——–+——————+
| rollno | name             |
+——–+——————+
|      1 | Arun Bagul       |
|      2 | Nilkanth Parab   |
|      3 | Ravi Bhure       |
|      4 | Nishit Shah      |
|      5 | Karthik Appigita |
|      6 | Ram Krishna      |
|      7 | Ameya Pandit     |
|      8 | Suhail Thakur    |
+——–+——————+
8 rows in set (0.00 sec)

mysql>

** This is how Multi master replication works….

auto_increment_offset=Nth master server
auto_increment_increment=M

Onde —
N => número enésima de servidor principal (master-1 em mantê-1 e no master-2 mantê-la 2 e assim por diante ..)
M => número total de Servidor Mestre (2 no nosso caso, mas melhor para manter este alto valor, para que possamos adicionar novo servidor mestre facilmente)

log-slave-updates => Servidor Slave não registra o seu próprio log binário quaisquer actualizações que são recebidas de um servidor mestre. Esta opção diz ao slave para registrar as atualizações feitas pela thread de SQL para seu próprio log binário.

** Certifique-se que o MySQL está rodando e até em todos os servidores master e slave-servidor

Como configurar Multi Master replicação do MySQL? —

Step 1] Create Database/Tables on  Master  & Slave Servers –

You can create DB on all master & slave server or  create on one server and export that DB on  rest of all servers…

Master-1 => Create DB and Table

mysql> create database student;

mysql> use student;

mysql> create table class ( rollno INT(5) NOT NULL PRIMARY KEY AUTO_INCREMENT , name VARCHAR(30) );

mysql> show tables;
+——————-+
| Tables_in_student |
+——————-+
| class             |
+——————-+
1 row in set (0.00 sec)

mysql> desc class;
+——–+————-+——+—–+———+—————-+
| Field  | Type        | Null | Key | Default | Extra          |
+——–+————-+——+—–+———+—————-+
| rollno | int(5)      | NO   | PRI | NULL    | auto_increment |
| name   | varchar(30) | YES  |     | NULL    |                |
+——–+————-+——+—–+———+—————-+
2 rows in set (0.00 sec)

mysql> SELECT * FROM class;
Empty set (0.00 sec)
mysql>

* Now take dump of “student” DB and export it on all master and Slave server…

[root@master-1~]# mysqldump -u root -p  -d student > /home/arunsb/student.sql

* SCP the dump file on master-2 and slave server ~
[root@master-1~]# scp /home/arunsb/student.sql arunsb@10.66.90.135:/tmp/student.sql
[root@master-1~]# scp /home/arunsb/student.sql arunsb@10.66.75.137:/tmp/student.sql

Login on master-2 and slave ~

mysql> create database student;

[root@master-2~]# mysql -u root -p student < /tmp/student.sql
Enter password:
[root@master-2~]#

[root@master-2~]# mysql -u root -p
Enter password:

mysql> use student

mysql> SELECT * FROM class;
Empty set (0.00 sec)
mysql>

** Please repeat the same steps on Slave server as well…

Step 2] Update “my.cnf” config file on master-1,master-2 and slave server –

[root@master-1~]# cat /etc/my.cnf

###########################
##MySQL replication setting

#Master setting(1)
server-id = 1
log-bin = /var/log/mysql/binary/mysql-bin.log
binlog-do-db = student
binlog-ignore-db = mysql
#log = /var/log/mysql/mysql.log
auto_increment_offset=1
auto_increment_increment=5
log-slave-updates

##slave setting
master-port=3306
master-host=10.66.90.135
master-user=replication
master-password=mypwd
master-connect-retry=60
replicate-do-db=student
###########################

[root@master-1~]#

[root@master-2~]# cat /etc/mysql/my.cnf

###########################
##MySQL replication setting

#Master setting(2)
server-id = 2
log-bin = /var/log/mysql/binary/mysql-bin.log
binlog-do-db=student
binlog-ignore-db = mysql
log = /var/log/mysql/mysql.log
auto_increment_offset=2
auto_increment_increment=5
log-slave-updates

##slave setting
master-port=3306
master-host=10.66.66.194
master-user=replication
master-password=mypwd
master-connect-retry=60
replicate-do-db=student
###########################

[root@master-2~]#

* please create directory for binary log and set permission…

[root@master-1~]# mkdir -p /var/log/mysql/binary/
[root@master-1~]# chown mysql:adm  /var/log/mysql/ /var/log/mysql/binary/

[root@master-2~]# mkdir -p /var/log/mysql/binary/
[root@master-2~]# chown mysql:adm  /var/log/mysql/ /var/log/mysql/binary/

** MySQL Replication Slave ~

[root@slave~]# cat  /etc/my.cnf

[mysqld]

########################################
##slave setting
server-id=4
master-port=3306
master-host=10.66.90.135
master-user=replication
master-password=mypwd
master-connect-retry=60
replicate-do-db=student
########################################

[root@slave~]#

Step 3] Give Replication permission on both masters ~

** Master (1 & 2) ~

mysql> GRANT REPLICATION SLAVE ON *.* TO ‘replication’@’10.66.%.%’ IDENTIFIED BY ‘mypwd’;
Query OK, 0 rows affected (0.00 sec)

mysql>

Step 4] Restart MySQL on both master as well as replication slave server ~

** Please verify setting on master-1 and master-2 server…

* Master-1

mysql> show variables like ‘%increment_%’;
+————————–+——-+
| Variable_name            | Value |
+————————–+——-+
| auto_increment_increment | 5     |
| auto_increment_offset    | 1     |
+————————–+——-+
2 rows in set (0.00 sec)

* Master-2

mysql> show variables like ‘%increment_%’;
+————————–+——-+
| Variable_name            | Value |
+————————–+——-+
| auto_increment_increment | 5     |
| auto_increment_offset    | 2     |
+————————–+——-+
2 rows in set (0.00 sec)

** Please verify ‘master’ & ‘slave’ status on both masters(1 & 2) and slave –

mysql> show master status;
mysql> show slave status;

** Multi Master replication is started…

Step 5] Add few records on Master-1 & Master-2 server at same time ~

Add records on both master server at same time and check master and replication slave status as shown above….

** Add following on master-1

mysql> INSERT INTO class VALUES (”,’Arun Bagul’);
mysql> INSERT INTO class VALUES (”,’Ravi Bhure’);
mysql> INSERT INTO class VALUES (”,’Karthik Appigita’);
mysql> INSERT INTO class VALUES (”,’Ameya Pandit’);

** Add following on master-2

mysql> INSERT INTO class VALUES (”,’Nilkanth Parab’);
mysql> INSERT INTO class VALUES (”,’Nishit Shah’);
mysql> INSERT INTO class VALUES (”,’Ram Krishna’);
mysql> INSERT INTO class VALUES (”,’Suhail Thakur’);

** Please verify the numbers of records on both masters and slave….

mysql> SELECT * FROM class;
+——–+——————+
| rollno | name             |
+——–+——————+
|      1 | Arun Bagul       |
|      2 | Nilkanth Parab   |
|      6 | Ravi Bhure       |
|     11 | Karthik Appigita |
|     16 | Ameya Pandit     |
|     17 | Nishit Shah      |
|     22 | Ram Krishna      |
|     27 | Suhail Thakur    |
+——–+——————+
8 rows in set (0.00 sec)

mysql>

* Portanto, todos nós aprendemos a configurar multi-replicação do MySQL mestre. Aproveite!

Atenciosamente,
Arun Bagul

(0) Comments    Read More   
Dec
02
Posted on 02-12-2009
Filed Under (Informações gerais) by Arun Bagul

Introdução —

Ferramenta * “rpmbuild” é usado para construir tanto …

1) Pacote binário ~ usada para instalar o software e suporte scripts. Ele contém os arquivos que compõem o pedido, juntamente com todas as informações adicionais necessárias para instalar e apagá-la.
Source Package 2) ~ contém o arquivo tar compactados originais do código-fonte, patches e especificação de arquivo.

* Qual é o RPM & gerenciador de pacotes rpm?

O RPM Package Manager (RPM) é uma poderosa linha de comando do sistema de gerenciamento de pacotes capazes de instalar, desinstalar, verificando, consulta e atualização de pacotes de software.

RPM pacote consiste de um repositório de arquivos e meta-dados usados para instalar e apagar os ficheiros de arquivo. A meta-dados inclui scripts auxiliares, os atributos do arquivo, e informações descritivas sobre o pacote.

* Para construir o pacote RPM que você precisa especificar três coisas ~

1) Fonte de aplicação – Em qualquer caso, você não deve modificar as fontes utilizadas no processo de construção do pacote.

2) Patches – RPM lhe dá a capacidade para aplicar automaticamente patches para eles. O patch corrige um problema específico para o sistema alvo. Isto pode incluir mudanças makefiles para instalar o aplicativo para o apropriado diretórios, ou resolução de conflitos plataforma. Patches criar o ambiente necessário para a compilação adequada.

3) Especificação do Arquivo – A especificação é no coração do processo de construção de pacotes RPM. Ele contém informações exigidas pela RPM para construir o pacote, bem como instruções dizendo RPM como construí-lo. O arquivo de especificação também dita exatamente quais arquivos são uma parte do pacote, e onde deve ser instalado.

** Especificação do arquivo ~ é dividido em 8 seções conforme mostrado abaixo

a) Preâmbulo ~ contém informações que serão exibidas quando os usuários solicitarem informações sobre o pacote. Isso pode incluir uma descrição da função do pacote, o número de versão do software, etc

b) Preparação ~ onde o trabalho real de construção de um pacote é iniciado. Como o nome indica, esta seção é onde os preparativos necessários sejam feitos antes de o edifício atual do software. Em geral, se algo precisa ser feito para as fontes antes de construir o software, ele precisa acontecer na seção de preparação. O conteúdo desta secção é um shell script comum. No entanto, RPM prevê duas macros para tornar a vida mais fácil. Uma macro pode descompactar um arquivo tar compactado e CD para o diretório de origem. A macro outros patches facilmente se aplica às fontes de descompactado.

c) Construir ~ Esta secção é constituída por um shell script. Ele é usado para executar qualquer comandos são realmente necessário para compilar os fontes como único comando make, ou ser mais complexo se o processo de criação exige. Não existem macros disponíveis nesta seção.

d) Instalar ~ Esta seção também contém um shell script, a seção de instalação é usada para executar os comandos necessários para realmente instalar o software.

e) Instalar e desinstalar scripts ~ É constituída de scripts que serão executados, no sistema do usuário, quando o pacote é realmente instalados ou removidos. RPM pode executar um script pré / pós-instalação / remoção do pacote.

f) Verificar Script ~ script que é executado no sistema do usuário. É executado quando RPM verifica a instalação correta do pacote.

g) Limpeza Seção ~ script que pode limpar as coisas após a compilação. Este script é raramente usada, desde RPM normalmente faz um bom trabalho de limpeza na maioria dos ambientes de criação.

h) Lista de arquivos ~ consiste de uma lista de arquivos que compõem o pacote. Além disso, um número de macros podem ser usadas para controlar atributos de ficheiro, quando instalado, bem como para indicar quais arquivos são a documentação, e que contêm informações de configuração. A lista de arquivos é muito importante.

Requisito *** RPM’s para ambiente de construção ~

A] RPM requer um conjunto de diretórios para executar a construção. Enquanto os diretórios locais e nomes podem ser mudados. Layout padrão é mostrado abaixo —

root @ arunsb: ~ # ls-l / usr / src / redhat /

drwxr-xr-x 2 root root 4096 Aug 25 2007 Fontes => contém as fontes originais, patches e arquivos de ícone
drwxr-xr-x 2 root root 4096 Aug 25 2007 SPECS => Contém os arquivos de especificação
drwxr-xr-x 2 root root 4096 Aug 25 2007 Build => Directory em que as fontes são descompactados, e software é construído
drwxr-xr-x 8 root root 4096 28 de maio de 2008 RPMS => Contém o pacote binário arquivos criados pelo processo de construção
drwxr-xr-x 2 root root 4096 Aug 25 2007 SRPMS => contém o pacote de fonte de arquivos criados pelo processo de construção

root @ arunsb: ~ #

B] precisa exportar algumas variáveis globais utilizadas por RPM —

root @ arunsb: ~ # export RPM_BUILD_DIR = /usr/src/redhat/BUILD/
root @ arunsb: ~ # export RPM_SOURCE_DIR =/usr/src/redhat/SOURCES/

Passo 1] Criar especificação (spec) Arquivo ~

root@arunsb:~# head -n 50  /usr/src/redhat/SPECS/openlsm.spec
# Authority: Arun Bagul

#RPM_BUILD_DIR    /usr/src/redhat/BUILD/
#RPM_SOURCE_DIR    /usr/src/redhat/SOURCES/

%define MY_PREFIX    /usr/local/openlsm/

## Preamble Section-
Name: openlsm
Version: 0.99
Vendor: IndianGNU.org & openlsm
Release: r45
Group: System Environment/Daemons
Packager: IndianGNU.org (http://www.indiangnu.org)
URL: http://openlsm.sourceforge.net/
Summary: openlsm Admin Server
License: GPL

%description
openlsm Admin Server is free & open source web based control panel for Linux,Unix systems.

## Preparation Section-
%prep

rm -rf ${RPM_BUILD_DIR}/openlsm-0.99-r45/
tar xvfz ${RPM_SOURCE_DIR}/openlsm-0.99-r45.tar.gz -C ${RPM_BUILD_DIR}

## Build Section-
%build

cd ./openlsm-0.99-r45/
./configure –prefix=/usr/local/openlsm –with-mysql=/usr/bin/mysql_config –enable-internal-pcre –with-geoip=/usr –with-ldap=/usr –enable-trace
make

## Install Section-
%install

cd ./openlsm-0.99-r45/
make install

## Files Section-
%files

/usr/local/openlsm
/usr/local/openlsm/etc/openlsm/openlsm.conf
/usr/local/openlsm/etc/openlsm/openlsm.conf.perf_sample
/usr/local/openlsm/etc/openlsm/ssl/
/usr/local/openlsm/bin/openlsm-config
….
…..
….. list of files installed by pkg
root@arunsb:~#

* Como você criar a lista de arquivos?

Criando a lista de arquivos processo é manual. O que eu fiz é que eu peguei a lista de arquivos do meu diretório prefixo manual instalado com o comando find, como mostrado abaixo …

root@arunsb:~# find /usr/local/openlsm/ -type f -or  -type d

Etapa 2] A partir do Build ~

root@arunsb:~# cd /usr/src/redhat/SPECS
root@arunsb:/usr/src/redhat/SPECS# ls -l  openlsm.spec
-rw-r–r– 1 root root 12938 Dec  2 17:21 openlsm.spec
root@arunsb:/usr/src/redhat/SPECS#

root@arunsb:/usr/src/redhat/SPECS# rpmbuild   -ba  openlsm.spec

….
… ..

Verificação de arquivo não embalados (s): / usr / lib / rpm / check-files% (buildroot)
Escreveu: / usr/src/redhat/SRPMS/openlsm-0.99-r45.src.rpm
Escreveu: / usr/src/redhat/RPMS/i386/openlsm-0.99-r45.i386.rpm
root @ arunsb: / usr / src / redhat / SPECS # echo $?
0

root @ arunsb: / usr / src / redhat / SPECS # ls-l / usr/src/redhat/SRPMS/openlsm-0.99-r45.src.rpm
-rw-r-r-1 root root 3206 2 de dezembro 17:50 / usr/src/redhat/SRPMS/openlsm-0.99-r45.src.rpm
root @ arunsb: / usr / src / redhat / SPECS # ls-l / usr/src/redhat/RPMS/i386/openlsm-0.99-r45.i386.rpm
-rw-r-r-1 root root 3052868 2 de dezembro 17:50 / usr/src/redhat/RPMS/i386/openlsm-0.99-r45.i386.rpm
root @ arunsb: / usr / src / redhat / SPECS #

* Fonte e pacote binário criado!

** Vamos ver o que aconteceu em “/ usr / src / redhat / directory”

root @ arunsb: / usr / src / redhat # pwd
/ usr / src / redhat
root @ arunsb: / usr / src / redhat # ls
BUILD RPMS SOURCES SPECS SRPMS
root @ arunsb: / usr / src / redhat # ls BUILD /
openlsm-0,99-r45 <== Fonte extraída aqui como parte de construir as instruções do arquivo de especificação ou seja, “openlsm.spec”
root @ arunsb: / usr / src / redhat # ls FONTES /
openlsm-0,99-r45.tar.gz <openlsm == original “-0,99-fonte r45.tar.gz ‘arquivo copiado por mim
root @ arunsb: / usr / src / redhat # ls RPMS /
athlon i386 i486 i586 i686 noarch
root @ arunsb: / usr / src / redhat # ls RPMS/i386 /
openlsm-0,99 r45.i386.rpm-<== pacote rpm Binário criado!
root @ arunsb: / usr / src / redhat # ls / SRPMS
openlsm-0,99-r45.src.rpm <== pacote fonte RPM criado!
root @ arunsb: / usr / src / redhat #

Etapa 3] Agora instale o pacote e testá-lo ~

root @ arunsb: / usr / src / redhat # cp RPMS/i386/openlsm-0.99-r45.i386.rpm / home / arunsb /

root @ arunsb: / usr / src / redhat # cd / home arunsb / /
root @ arunsb: ~ # ls
openlsm-0,99-r45.i386.rpm
root @ arunsb: ~ # rpm-openlsm ivh-0,99-r45.i386.rpm
Preparando … ########################################### [100%]
1: ########################################### openlsm [100%]
root @ arunsb: ~ # ls / usr / local / openlsm /
etc contrib bin incluir partes var / lib sbin scripts
root @ arunsb: ~ #

** Iniciando o servidor openlsm ~

root @ arunsb: ~ # / usr / local / openlsm / contrib / start-openlsm redhat
* Iniciando openlsm Server Admin: openlsm
. [OK]
root @ arunsb: ~ #
root @ arunsb: ~ # / usr / local / openlsm / contrib / openlsm estatuto de redhat
openlsm (pid 21607) is running …
root @ arunsb: ~ #

root @ arunsb: ~ # rpm-q openlsm-0,99-R45
openlsm-0,99-R45
root @ arunsb: ~ #

root @ arunsb: ~ # rpm-openlsm QL-0,99-R45
..

root @ arunsb: ~ # rpm-openlsm qiv-0,99-R45
Nome: Relocations openlsm: (not relocatable)
Version: 0.99 Vendor: IndianGNU.org & openlsm
Lançamento: R45 Build Date: Qua 02 de dezembro de 2009 05:50:54 EST
Instale Data: Wed 02 de dezembro de 2009 06:06:23 IST Build Host: alongseveral-dr.eglbp.corp.yahoo.com
Grupo: System Environment / Daemons Source RPM: openlsm-0,99-r45.src.rpm
Tamanho: 14877918 Licença: GP
Signature: (none)
Packager: IndianGNU.org (http://www.indiangnu.org)
URL: http://openlsm.sourceforge.net/
Resumo: openlsm Admin Server
Descrição:
painel de controle openlsm Admin Server é gratuita e web de código aberto baseado em Linux, Unix.
root @ arunsb: ~ #

** NOTA ~ Este artigo não contém informações sobre como definir micros, como cópia de documentos, páginas de manual para o padrão local, como definir permision e de apropriação vou cobrir esta tópicos no próximo artigo sobre RPM.

** Por favor, consulte o artigo Inglês ~ http://www.indiangnu.org/2009/how-to-create-or-build-rpm-package/

Atenciosamente,
Arun Bagul

(0) Comments    Read More   
Nov
20

Introdução ~

GNU Privacy Guard (GnuPG ou GPG) é open source / software livre de criptografia e uma ferramenta de assinatura, alternativa para o Pretty Good Privacy (PGP) suite de software criptográfico. Enigmail é uma extensão para o Mozilla Thunderbird e outras aplicações do Mozilla. Ele fornece a chave pública de criptografia de e-mail. Funcionalidade criptográfica real é tratado pelo GNU Privacy Guard (GnuPG, GPG).

Passo 1] Instalar o GnuPG ou GPG —

* Ubuntu / Debian ~

root @ Arun: ~ # apt-get install gnupg gnupg2

* Redhat / Fedora ~

root @ Arun: ~ # yum install gnupg gnupg2

Etapa 2] Como instalar o Enigmail?

Presumo que o Mozilla Thunderbird já está instalado em seu sistema. Para instalar o “Enigmail” siga os seguintes passos

a) Enigmail “Download” de url “http://enigmail.mozdev.org/download/”

Note ~ OS e selecione a versão do Thunderbird corretamente.

b) Na barra de menus da janela principal do Thunderbird você vai ver em “Ferramentas”. Selecione esta, e depois em “Add-ons” opção. Isso fará com que uma nova janela listagem de todos os plug-ins de Thunderbird. Na parte inferior do canto esquerdo da nova janela, você verá um botão “Install”. Clique neste botão. Diga Thunderbird onde você salvou o Enigmail. Arquivo XPI. e apenas dizer “Install” that’s it!

* Assim ‘Enigmail’ está instalado, reinicie o Thunderbird. Então você vai ver “OpenPGP tab” no menu principal do Thunderbird.

Etapa 3] Instalação de chave privada / pública ~

Enigmail usa criptografia de chave pública para garantir a privacidade entre você e seus correspondentes. Para gerar as chaves pública / privada, há dois métodos ou gerá-los com a ajuda de “gpg ferramenta de linha de comando” ou “utilização enigmail” ….

* Vamos gerar público / privado de chaves criptográficas com a ajuda de “enigmail”, conforme mostrado abaixo ….

a) Clique em “OpenPGP” na barra de menus da janela principal do Thunderbird. Selecione “Gerenciamento de Chaves”.
b) No Enigmail ~ Key Manager, clique em “gerar guia” na barra de menu e selecione “Novo par de chaves”.
c) No topo da janela, você verá uma caixa de combinação que mostra todos os seus endereços de e-mail. GnuPG irá associar a sua chave de novo com um endereço de email.
Enigmail é só pedir-lhe qual endereço você deseja usar para essa chave. Escolha o que conta será receber e-mails criptografados.

NOTA ~ Nós podemos usar as mesmas teclas para múltiplas contas.

d) Você pode usar senha ou apenas verificar “No passphrase” checkbox para gerar chaves sem senha.
e) Criar o diretório para salvar “Revogação Certificados” …

arunsb @ arun: ~ $ mkdir / home / arunsb .gpg_key / /

f) Clique no botão “Gerar” para gerar as chaves. feito ..

Para chaves partes facilmente você pode publicar suas chaves com chaves.

a) Em “Gestão da janela”, selecione as chaves e, em seguida, clique na guia “Keyserver ‘no menu principal e clique em” Enviar “Chaves Públicas”
Nota ~ se esqueça de verificar “Mostrar Todas as chaves por padrão caixa de seleção” (para listar todas as chaves)

Etapa 4] Compor o e-mail e assiná-lo ~

Compor o e-mail e diga-Enigmail para assiná-lo. No topo da janela do Compose você vai ver um botão de leitura “OpenPGP”. Clique sobre esta matéria. Certifique-se que o “Sign” opção, e só isso, está marcada. Finalmente “Enviar” e-mail! (Você será solicitado para sua senha. Uma vez que você entrar, Enigmail irá assinar o seu e-mail e enviá-lo se você tiver gerar chaves com senha senão ele não vai perguntar)
/ pgp_enigmail-compose

Aproveite!

Atenciosamente,
Arun Bagul

(0) Comments    Read More   

www.flickr.com
arunbagul's photos More of arunbagul's photos
Get Adobe Flash player
-->